Tradição Nagô do Terreiro de Mãe Amara ocupa Teatro do Parque com espetáculos inéditos

 

Texto: Giovanna Carneiro | Imagem: Still/Ernesto Carvalho

A tradição da cultura nagô vai ocupar o Teatro do Parque, Centro do Recife, na próxima quinta-feira (21). A partir das 20h, o equipamento histórico da cidade será cenário para dois espetáculos musicais inéditos: a gravação do DVD Ilê Idilê Mimó – Terreira da Família Sagrada Afoxé Oyá Alaxé, digirido pela Ialorixá Ilê Obá Aganjú Okoloyá (Terreiro de Mãe Amara), Maria Helena Sampaio; e o solo “Ose Nibu Omi: A Guardiã de Òrúnmìlá”, dirigida por Gabriela Sampaio, cantora e Ìyápẹ̀tẹ̀bí do Ilê. Os ingressos podem ser adquiridos via Sympla. 

O evento tem caráter beneficente uma vez que o valor da venda dos ingressos será revertido para a reforma do Terreiro de Mãe Amara, que fundamenta o Afoxé Oyá Alaxé desde a sua fundação em 10 de abril de 2004, quando  Mãe Maria Helena Sampaio era Yakekerê do Ilê. Compositora, criadora e interprete do afoxé, ela assina a criação do espetáculo  “Ilê Idilê Mimó – Terreiro da Família Sagrada Afoxé Oyá Alaxé”. “A gravação do DVD tem como intuito político fomentar as diversas expressões artísticas da cultura popular do nosso estado e contribuir com a preservação e valorização das tradições das religiões afro-indígenas e principalmente ressaltando a importância da tradição nagô de Pernambuco do Terreiro de Mãe Amara”, justifica o grupo na sinopse do projeto.

Mãe Maria Helena assina a direção artística do espetáculo “Ilê Idilê Mimó – Terreiro da Família Sagrada Afoxé Oyá Alaxé”

A apresentação de “Ose Nibu Omi: A Guardiã de Òrúnmìlá”, primeiro projeto solo gestado, dirigido e produzido por Gabriela Sampaio,  contará ainda com as participações da irmã da cantora, Helayne Sampaio, Iyálaxé, Mestre em Educação Contemporânea pela UFPE, coreógrafa e bailarina, além do cantor e compositor pernambucano, Afroito. 

“É raiz poder conectar a vivência e perspectiva artística às toadas da tradição Nagô de Pernambuco, a qual me sinto honrada em ser herdeira e mantenedora, fazendo parte da preservação das nossas tradições, eternizando e compartilhando a memória de todo aprendizado no terreiro, da nossa cultura e da tradição ancestral nagô de Pernambuco, que faz parte da minha Vida. Espero que vocês gostem dessa singela homenagem”, declarou Gabriela Sampaio. 

Gabriela Sampaio (Ose Nibu Omi) nasceu no Ilê Obá Aganjú Okoloyá – Terreiro de Mãe Amara, fundado em 1945 pela sua avó, a Yalorixá Amara Mendes (Oba Meji – awô), filha de Origenã (Vó Chiquinha) e João de Oguian, e matriarca do axé, que foi herdado por sua mãe, Yalorixá Maria Helena Sampaio (Oyá Tundê). Viveu toda a infância inserida no cotidiano das atividades religiosas e culturais do meu terreiro, fazendo parte do esforço de resistência e preservação da tradição Nagô em Pernambuco, exercendo um papel de Guardiã de um legado ancestral e sagrado.

“Este projeto nasce do meu agradecimento e devoção aos Orixás Òrúnmìlá e Oxum, objetivando de uma forma inédita salvaguardar o patrimônio imaterial da Tradição Ancestral do nosso culto Aboulá Nagô de Pernambuco. A proposta é levar ao público a essência dos Orixás, enquanto energias fortalecedoras do nosso dia a dia, através das toadas e cânticos sagrados. Além disso, propõe-se registrar, compartilhar e preservar a memória de todo meu aprendizado no terreiro de Mãe Amara, terreiro fundado em 1945 pela minha avó biológica, terreiro de tradição nagô de Pernambuco; e na minha vivência cultural enquanto multiartista”, pontua a cantora.

O projeto foi idealizado por Gabriela Sampaio junto com a Yá Maria Helena Sampaio e tem produção assinada por Awá Produções Criativas, Afoxé Oyá Alaxé e Terreiro de Mãe Amara. A produção musical é realizada por Gilberto Bala Santos e a direção e criação coreográfica por Helaynne Sampaio. 

Os ingressos custam entre R$ 25 e  R$ 50 e estão à venda pelo Sympla e também estarão disponíveis na bilheteria do Teatro do Parque no dia do evento. 

Escrito por:

Afoitas Jornalismo

afoitas.contato@gmail.com

 @afoitas