Samba de Liberdade destaca produção de mulheres no Pátio de São Pedro

O Pátio de São Pedro, bairro de São José, recebe nesta terça-feira (14) a 1ª Edição do projeto “Samba de Liberdade”, que apresenta a produção de sambistas pernambucanas. O encontro de estreia apresenta as cantoras Luana Tavares e Paz Brandão em uma roda de canções autorais e clássicos do gênero. Além de música, o evento, que começa às 17h aberto ao público, também reúne empreendedoras criativas da Feira das Mulheres Pretas.

Cantora e compositora, mulher preta da Zona da Mata, Luana vem atuando na cadeia musical independente há mais de ano, vem expressando suas vivências por meio de sua sonoridade autoral. Para ela, a representatividade em eventos que destacam a produção feminina é uma manifestação de justiça e reconhecimento. “No universo do samba, as mulheres ainda desafiam o machismo com sua presença forte e suas vozes ancestrais, reafirmando seu papel vital na história e na cultura desse gênero. Enfrentando obstáculos e estereótipos, as mulheres elevam o samba para além das notas, transformando-o em um manifesto de liberdade e igualdade, onde cada batida é uma afirmação de sua própria existência e poder”, pontua.

Idealizado pela incubadora social Território Periférico e pelo coletivo de aceleração cultural Aqualtune, ambos liderados por pessoas pretas, o Samba de Liberdade conta com apoio da Secretaria de Cultura do Estado e da Gerência de Igualdade Racial da Prefeitura do Recife. A iniciativa foi criada com o objetivo de promover a ativação do Pátio de São Pedro valorizando sua vocação cultural e fomentando a economia criativa da área por meio de uma manifestação artística que simboliza a genialidade musical negra.

“O Samba de Liberdade nasce para valorizar os fazeres do povo preto e a ancestralidade que permeia a construção do Samba, um dos movimentos mais fortes e emblemáticos forjado pela resistência afrodescendente”, pontua Maré Lobato, do Território Periférico. A segunda edição do projeto está marcada para acontecer no dia 23 de maio e recebe a sambista Helena Cristina, que convida a cantora Poli para uma apresentação inédita. Os dois encontros acontecem na frente do espaço cultural Kafuá, projeto de economia afrocriativa.

Além da programação musical, haverá a exibição do documentário “Exú Onã: Juventudes tem Axé” e uma roda de conversa intitulada “13 de Maio não é dia de Negro”, que contará com as participações de Joane Orlando, mulher travesti negra,  pedagoga, professora, artista e ativista dos Direitos Humanos; Tainã Moema Espindola de Souza, Chefe de Divisão da Gerência de Igualdade Racial da Prefeitura do Recife; e Pablo Guiã, Babakekeré do Ilê Axé Oxum Karê e bacharel em Direito.

SERVIÇO
Samba de Liberdade
Terça (14), a partir das 17h no Pátio de São Pedro
Luana Tavares convida Paz Brandão
Feira das Mulheres Pretas
Exibição do Doc Exú Onã: Juventudes tem axé
Informações para imprensa: 81 99818.9238

Escrito por:

Afoitas Jornalismo

afoitas.contato@gmail.com

 @afoitas