“Precisamos de pessoas pretas, periféricas, de terreiro ocupando cargos de gestão”, afirma Yasmim Neves

Texto: Lenne Ferreira Imagem: Eduardo Cunha

Candomblecista, periférica e brincante da cultura popular, Yasmim Neves é a primeira mulher preta a assumir a Secretaria Executiva de Cultura de Pernambuco. O anúncio foi feito pelo Governo do Estado na última sexta-feira (19) e representa um marco para a comunidade negra que há muito reivindica maior representatividade nas esferas públicas do poder. Colaboradora do corpo técnico da Secretaria desde 2020, Yasmim atuava na Gerência de Políticas Culturais e liderou a Conferência Estadual de Cultura de 2023 ganhando destaque pela condução democrática do processo que reuniu lideranças de todo o Pernambuco.

Gestora com experiência em finanças, orçamento público, controle e planejamento financeiro, execução de projetos, gestão de patrimônio e produção artística/cultural, a pernambucana é cria da Zona Norte do Recife e atualmente reside no bairro de Cajueiro. Mulher de terreiro, desde a infância Yasmim vivencia brinquedos e expressões da cultura popular como afoxés e maracatus. A filha da comerciante Geane e do cozinheiro Feliciano, é integrando do Àse Ègbè Omo Olóbòkó Àjé, cuja liderança espiritual é do Babalorixá André Olóbòkó. A influência religiosa permeia toda a trajetória da secretária, que é filha de Oyá e divide seu tempo entre trabalho, estudos, família e sua vida espiritual. Ao longo de sua trajetória, Yasmim teve as expressões de matrizes africanas como influenciadoras de sua formação.”Os grupos de afoxés sempre foram uma referência pra mim, pois eles são uma partícula dos Ilês. Além de ser apaixonada por Coco”, pontua ela.

 

Yasmim coordenou a participação de PE na 4ª Conferência Nacional de Cultura, realizada pelo Ministério da Cultura

“Acredito que demorou muito para estarmos neste lugar, mas para que a estrutura possa ser modificada temos que ocupar estes espaços. Precisamos de pessoas pretas, periféricas, de terreiro ocupando cargos de gestão. Quem deve pensar e pautar política pública para nós, somos nós. As pessoas pretas devem ter lugar de fala e ter o poder da decisão nas mãos. Precisamos mostrar nossa cultura da forma que nós conhecemos”, declara a Secretária que tem se empenhado em ouvir as diversas representações de setores da cultura do Estado.

Yasmim Neves reforça que sua atuação na Secretaria de Cultura representa um compromisso com a democratização de acessos e maior eficácia das políticas desenvolvidas pelo Governo do Estado. “O sentimento é de felicidade e entusiasmo, porém tenho a certeza que é um momento bem desafiador para minha vida profissional. Pautar políticas públicas mais afirmativas e trazer a equidade como ponto de partida para todas as ações é um dos meus maiores desejos”, declara.

Ativistas do setor da Cultura consideram que a nomeação de Yasmim simboliza um pequeno avanço, mas que precisa ser acompanhado de ações concretas para a construção de políticas de incentivo que visem a redução do racismo estrutural que ainda impende o desenvolvimento de ações lideradas por agentes culturais pretos e indígenas. “Temos críticas ao governo Raquel Lira, mas ninguém pode negar da importância e quão fundamental é ter uma mulher preta à frente das Políticas Culturais. Faço críticas, mas também aplaudo quando se faz a coisa certa. E só nós, negras e negros, sabemos o quanto essa nomeação significa”, comenta Jadion Helena, produtora cultural e uma das articuladoras do coletivo Acorde.

Para Yasmim Neves, a atuação profissional no setor público não se distancia das suas práticas diárias e ela garante que vai trabalhar com técnica e afeto. “Quero fazer uma cultura mais afetuosa. Precisamos nos aquilombar para construirmos algo potente e estruturante. Precisamos deixar como legado uma política pública mais efetiva para quem, de fato, faz a cultura de Pernambuco ser tão rica e diversa”.

Escrito por:

Lenne Ferreira

lenneferreira.pe@gmail.com

 @lenneferreira