Multiartista Renna Costa lança campanha virtual para finalizar curta-metragem

travesti negra segurando claquete

Produzido no Sertão, “Território em Trânsito” é um curta-metragem de ficção que vem sendo desenvolvido desde 2018

Texto: Maya Santos | Foto: Meyriane de Mira

Em um lugar muitas vezes lembrado pelas faltas, a arte tem ofertado um caminho de mais abundância para artistas independentes no Sertão de Pernambuco. Entre as pessoas que tocam essa movimentação, está a multiartista e produtora cultural Renna Costa, nascida em Despacho (SC) e radicada no município de Buíque (PE), que assina a direção e roteiro do curta-metragem de ficção “Território em Trânsito”.

Renna dirigindo a atriz Gabi Beneditta (Foto: Meyriane de Mira)

Em produção desde 2018, o material audiovisual aborda questões de gênero, através do desenvolvimento da protagonista: uma travesti em contexto rural retratado em um realismo fantástico. Além disso, traz uma crítica ao conservadorismo cristão e as dificuldades de manter as tradições dentro dos territórios rurais. O projeto recebeu, inicialmente, o auxílio do Fundo Pernambucano de Incentivo à Cultura (Funcultura), mas agora precisa de ajuda.

Recentemente, a produtora abriu uma campanha virtual para custear a finalização da película e explica a importância desse formato de captação de recursos. “Foram dois anos nesse processo incluindo a burocratização de você ser aprovada, mais um ano até conseguir ter esse dinheiro e mais um tempo de pré-produção do filme. Então, essa questão do orçamento começou a pesar mais do que o normal. Precisei investir também um dinheiro e estou nesse processo de, também com esse dinheiro, finalizar o filme, a pós-produção”, criticou Renna Costa, diretora e roteirista do projeto.

Equipe do curta-metragem (Foto: Meyriane de Mira)

Por meio da doação de 36 pessoas, a vaquinha arrecadou R$ 1.825 mil, menos de um terço do valor total que é 10 mil. “Todos podem ajudar com o que for possível. O que a gente gostaria mesmo era de criar uma corrente de solidariedade com quem é simpatizante da resistência que é fazer arte no Sertão ou quem é da comunidade LGBTQIAP+ e gostaria de participar do projeto de alguma maneira”, reflete Renna. Como contrapartida, os participantes da vaquinha terão acesso ao filme em primeira mão. “Foi a melhor forma que achei de agradecer”. A equipe do filme é composta com mulheres e pessoas LGBTQIA+ do interior.

Premiada, a trajetória da multiartista Renna Costa conta com produções que podem ser encontradas de forma acessível na internet. Entre elas estão, “BALDÍA”, de 2018, curta-metragem eleito Melhor Filme e Melhor Atriz da Mostra Agreste pela atuação e direção. Além de “Lamento de Força Travesti”, um videoclipe que circulou mais de 40 mostras e festivais pelo Brasil e na Europa, acumulando 8 prêmios como Melhor Videoclipe Nacional no Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (GO), Melhor Roteiro no 8º Recifest – Festival de Cinema da Diversidade Sexual e Gênero (PE) e Melhor Direção de Arte no 13º Festival de Cinema de Triunfo (PE).

Escrito por:

Maya Santos

santoscsmaya@gmail.com

 @mayacsantos